sexta-feira, 22 de setembro de 2017

As palavras bonitas desaparecem à mínima escarradela electrónica!

Internamente carinhosamente conhecido por o Nandinho das facturas - o homem dos pagamentos às "deusas" quando ao serviço do foculporto tomava conta do «dossier putas», vai ter um cargo importante na UEFA. Entusiasmado, Fernando Gomes escolheu o pasquim do serpa para informar o mundo futebolístico que «TEMOS DE CONSEGUIR PARAR ANTES QUE SEJA TARDE DE MAIS». Alarmado, o presidente da Federação Portuguesa de Futebol do Ronaldo parece ter acordado de um profundo sono de pelo menos...4 anos de constantes achincalhamentos e ataques à credibilização e ao crescimento do futebol português!!

«O mais importante não são os cargos, mas o que fazemos com eles» - e o que é que o Nandinho fez, que se visse, nos últimos 4 anos em prol da credibilização do futebol indígena? (e note-se que não me estou a referir apenas aos antigos pagamento a putas.)

«É necessário que os clubes saibam encontrar pontes de diálogo naquilo que os une - e na minha opinião é muito! - e, de uma vez por todas, deixem de permitir que os seus símbolos, a sua história e a sua força sejam capturados para a apologia do ódio.» Seria de bom tom, até porque meter todos no mesmo saco parece-me uma cobardia evidente, denunciar quem são os clubes que, na opinião do "facturas", andam a fazer a apologia do ódio...

«O clima que se vive no futebol profissional português é inimigo do crescimento e da afirmação da indústria, quer no plano nacional quer internacionalmente.» Sim, mas, quem são os responsáveis por esse clima? Quem são os inimigos do crescimento e da afirmação da indústria, quer no plano nacional quer internacionalmente? Quem é que anda continuadamente a descredibilizar o futebol português?

«O constante tom de crítica em relação à arbitragem é inaceitável e impróprio de um país civilizado e com espírito desportivo.» Pois é e disso já todos nos tínhamos dado conta. A questão mantêm-se; quem são os culpados? Quem é que anda a perseguir a arbitragem? Nomes. Queremos os nomes nos bois.

«Esta época, a exemplo do que sucedeu em outras, já houve acções condenáveis que tiveram como alvo os árbitros e que os afectaram a eles e às suas famílias.» E lá voltamos nós à velha questão; quem são os culpados? Quem são os cobardes que cometeram essas acções e actos tão condenáveis?

«O clima de ódio tem tido reflexo também entre os adeptos.» A julgar pela inacção e pelo continuado silêncio do presidente da federação parece que estamos a ler a opinião de um ET! E lá voltamos nós à velha questão; quem é que anda a promover esse clima de instigação ao ódio?

«É com profundo lamento que o escrevo: existem sinais de alarme no futebol português. E também o desrespeito de muitos pelas regras que eles próprios aprovaram em Assembleia Geral da Liga.» Palavras sabias e muito bonitas, estas do Nandinho das facturas, mas...quem são os clubes, e as pessoas, que desrespeitam alarvemente as regras aprovadas por eles próprios na assembleia da liga?  Nomes, Nandinho. Nomes. Queremos os nomes nos bois. As palavras bonitas desaparecem à mínima escarradela electrónica! Tem de haver consequências. 

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Vamos a “Contas” (sintéticas)?

Por José Albuquerque

Mais uma vez e como há um ano atrás (antes da AG eleitoral, recordam-se?), a Nossa SAD divulgou a síntese dos resultados económicos do exercício terminado em 30 de junho p.p. e o Guachos publicou as 4 páginas do documento que resume essa informação.
Como já ontem vos dei nota através de comentários, não me foi fácil explorar esta informação, porque demasiado sintética, ficando a aguardar pela publicação do “R&C” final, para podermos ter as respostas definitivas a algumas questões importantes.

E é por aí mesmo que vou começar, porque acredito serem essas, também, as principais dúvidas que assaltam os Leitores deste blogue, especialmente os que não dominam estes assuntos.

Como é que o Ativo cresce tanto, quando vendemos passes de atletas importantes e investimos tão pouco em aquisições?
Quando se vende um passe de um Atleta, “troca-se” o seu valor de Balanço, pelo valor da venda, ou seja: (i) o Activo diminui pelo “valor contabilístico” do passe (GG20, Hélder Costa, Ederson e Lindelof, todos valores baixos) e cresce pelo valor da venda, quer pela parte que é imediatamente recebida (pronto pagamento, com o $ a entrar nas contas bancárias), quer pela parte que fica por receber a prazo (aumentando a conta de “Clientes”).
Nesta situação, o valor do aumento do Activo também corresponde ao que se costuma chamar de “mais valia”, quando líquido de todas as despesas e encargos resultantes do negócio (comissões, fundo de solidariedade, etc.)

Como é que o Passivo só desceu aquele “pouco”, quando vendemos 3 estrelas e meia?
Como bem sabem os Leitores, eu há anos que estou farto desta treta da conversa sobre “Passivo”, um tema que começou por ser uma “arma” dos anti e que, final e lamentavelmente, passou a constar do discurso da Nossa SAD.
É que não pode existir uma única Empresa (que esteja em actividade) sem ter “Passivo”!
A Equação básica da Contabilidade é ACTIVO = PASSIVO + CAPITAIS PRÓPRIOS, ou seja e numa óptica de Origens e Aplicações de fundos: enquanto o Activo representa a “fotografia” de em que é que está aplicado o $, o Passivo fotografa a parte desse $ que tem uma origem alheia à Empresa (dívidas a Fornecedores, adiantamentos de Clientes, Empréstimos obtidos, etc.), representando os Capitais Próprios (Capital Social, Reservas, etc.) a parte restante da fonte de financiamento do Activo, com origem nos Accionistas.
E constitui uma imbecilidade pretender que todo o Activo esteja financiado por Capitais Próprios, sobretudo, como é o Nosso caso, de um Grupo em que muitos activos estão contabilizados por valores (líquidos de amortizações) muito inferiores aos seus valores de mercado (o que significa uma “subavaliação contabilística” dos Capitais Próprios).

Passemos, agora, aos números concretos mais “estranhos” …

70,7M€ em “Direitos de televisão”?
Eu também gostava muito, mas este valor inclui os Proveitos da UEFA, inclusive o “market pool”.
Ou seja, teremos de esperar mais uns dias para poder quantificar com rigor o acréscimo de receitas que resultou do contrato com a NOS.

A linha de Proveitos designados por “Comercial” diminuiu em 2,3M€.
Foi impossível explicar este mau e surpreendente número, pelo que teremos de esperar (mas perdemos sponsor em 2 bancadas da Catedral).

A rubrica “Gastos com Pessoal” cresceu mais de 13M€ (+ de 1M€ em média mensal), para 74,7M€.

Acredito que, uma vez que o Carrillo foi atleta do desportivo lumiarense até 30 de junho de 2016, o seu prémio de assinatura (além, provavelmente, da parte destinada ao seu agente) deve ser a explicação de parte deste acréscimo, tal como, eventualmente, nos casos de outros “custos zero” como, por exemplo, o “esferovite”.

Trata-se de uma linha dos Nossos Custos que vem sendo gerida com um rigor soberbo nestes últimos anos, pelo que fico a aguardar os detalhes do “R&C” para continuar a aplaudir, ou gritar um alerta.

Redução (em quase 4M€) do valor das Amortizações (sem passes de Atletas), para 10,8M€.
Isto só pode ser resultado de ter sido atingido o prazo de amortização contabilística de elementos do Activo (alguns equipamentos do Seixal?), ou da venda de outros que ainda estivessem em período de amortização contabilística.
A “investigar” no “R&C”.

Análise das 3 linhas de Proveitos e Custos das operações com passes de Atletas (ROPA).
Como não podia deixar de ser, confirmam-se os valores anunciados das vendas (40+30+30+16+…), ficando a diferença (7M€) como resultado de empréstimos e, eventualmente, algum prémio em função de resultados (Renato Sanches?).
Também se confirma que a saída do Ederson foi registada por 40M€, sendo que o Custo dos 50% que Nos não pertenciam só podem estar incluídos nos 20,3M€ dos Gastos com OPA (comissões, solidariedade, etc.). Isto significa que, em termos normais, desceu o nível de comissões bem abaixo dos 10%, facto que vai levar os Taliban a ter de engolir o que vão vomitando sobre a Gestifute.

Estabilização dos Resultados (Prejuízos) Financeiros, vulgo “fatura bancária”.
Talvez seja esta relativa estabilização dos Resultados Financeiros a que constitui uma maior decepção neste exercício. De facto e depois de uma notável recuperação dos Capitais Próprios, quase todos esperávamos uma redução desta “hemorragia” para valores menos gravosos.
Mesmo sem esquecer que esta “fatura bancária” já foi, há 4 anos, superior aos 20M€, só a concorrência de vários factores “negativos” é que impediu mais uma redução anual, que eu estimava em torno dos 2M€. E quais terão sido esses factores?
Primeiro e mais determinante, este processo de consolidação (aumento de prazos dos mútuos) de vários passivos, uma vez que, ainda que sem agravamento das taxas de juro, sempre envolvem “encargos iniciais” que agravam os Custos no primeiro ano.
Depois, o facto deste mais recente EO já ter sido “premiado” pela actual tendência de agravamento nos custos de transacção bancária, impedindo a SAD de beneficiar, neste primeiro ano, da significativa redução da taxa de juro.
Finalmente, por culpa da determinação (teimosia?) do CA em privilegiar a “notação reputacional” dos que se mantêm fieis aos bancos com os quais trabalham, em detrimento da exploração da redução de custos que decorreria da troca dessas parcerias por outras que (eu sei do que escrevo) lhe têm sido propostas.
É-me muito difícil, estando “por fora”, emitir uma opinião técnica sobre esta opção, mas não escondo que, em princípio, não seria a minha.

Depois desta análise pontual, é tempo de vos oferecer …

O meu comentário global a estas Nossas “Contas”.
Fenomenal!
Não conheço outro adjectivo para sintetizar estes resultados económicos, considerando a sua concomitância com os excelentes resultados desportivos alcançados nesta(s) última(s) época(s) desportiva.
Sejam quais forem os detalhes revelados pelo R&C que vamos ler dentro de algumas semanas, garanto-vos que, uma vez mais, os estudos das principais Consultoras que acompanham o desempenho dos principais clubes, irão, uma vez mais, destacar o desempenho do Glorioso e traduzi-lo em termos de valorização da Nossa Marca.
Olhando para os documentos sintéticos que compõem este relato financeiro, temos de concluir que o Grupo Benfica está cada ano mais forte e capaz de sustentar investimentos estruturais e desportivos que alavanquem os Valores fundacionais e a Nossa Ambição colectiva.

Provavelmente, quando for publicado o “R&C”, será esclarecedor escrever um texto que comece no Nosso Balanço após a fusão e compará-lo com este – o de 30 de junho de 2017, comentando a Demonstração de Resultados (plurianuais) que mediaram entre eles.
 Com estes resultados anuais e as duas vendas concretizadas desde 1 de julho (Nelsinho e Mitrogolo), está quase garantido equilíbrio do exercício que vai terminar em junho de 2018, facto que confere ao CA da Nossa SAD as condições ideais para planear a(s) próxima(s) época(s) desportiva(s), enquanto toda a estrutura de gestão se pode focar, tranquilamente, nos objectivos desta época.

E não vejo o que mais de oportuno eu possa escrever sobre estas “contas”, além de vos sugerir a releitura do Comunicado e renovar …

O meu alerta sobre o eventual excesso de velocidade na recuperação dos Capitais Próprios.
Assusta-me o facto de, nos dois últimos exercícios, o Nosso Grupo ter ultrapassado a meta que eu preconizava para a recuperação dos Capitais Próprios … em 5 anos?
Claro que não. Não me assusta rigorosamente nada!
Mas sinto ter cumprido a minha obrigação por ter alertado, em devido tempo, para este “risco” e, agora que ele se consumou e tudo indica que vai ser difícil de “travar”, só posso renovar este meu alerta.

Mas do que é que eu estou a falar?
É de pouca coisa, ahahah.
É de um exercício que apresenta um resultado líquido por cada Acção de quase 2 €, muito acima da cotação média do papel na Bolsa e de quase 40% do seu valor facial (inicial)!

Eu não conheço outro negócio de valor acrescentado, legal e em velocidade de cruzeiro, que permita estes níveis de rentabilidade e, nestes termos, não pode surpreender que ele esteja a atrair muitos investidores, alguns dos quais podem não ultrapassar o grau da especulação.
Hoje mesmo, o Estado português emitiu dívida de curto prazo (3 e 6 meses), que foi tomada a taxas de juro negativas!
Não foi a Alemanha, foi, mesmo, Portugal!
Para os biliões de euros que, no mercado internacional, procuram constante refúgio e aplicação, um investimento no Glorioso só pecaria pela reduzida dimensão, mas eu acredito que a possibilidade de aparecer uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a Nossa SAD e por um preço escandaloso (20€ por cada Acção, por exemplo), vai crescendo de probabilidade, até ao ponto de a “ver” como uma quase certeza no horizonte de médio prazo.
E eu confesso que não gosto de imaginar qual seria a opção da maioria dos pequenos accionistas, nem da maioria dos Sócios, em termos da pressão que poderiam colocar sobre os Nossos Corpos Sociais e, depois, sobre o CA da SAD.

Com a plena reconstituição dos Nossos Capitais Próprios a desenhar-se no curto/médio prazo, abrem-se novas janelas de oportunidade para o crescimento e desenvolvimento sustentado do Glorioso (nomeadamente ao nível da internacionalização da Nossa Marca), mas parece-me obrigatório que ninguém esqueça os Nossos Valores fundacionais, nem confunda o Benfica com uma simples Empresa que visa maximizar o lucro dos accionistas.   

Viva o Benfica!

P.S.: Terá nascido um Taliban?
Conheço o Companheiro RGS e reconheço-lhe um Benfiquismo exemplar.
Há anos que defendo que o aparecimento de alternativas credíveis nas Nossas AG’s eleitorais, só podem beneficiar o Clube e o Nosso futuro colectivo.
RGS tem toda a liberdade para fazer o que lhe der na real gana, mesmo que seja disfarçar-se de Taliban.
Ser inoportuno, demagogo, traiçoeiro e, até, fazer o jogo de todos os anti, Taliban incluídos, são opções legítimas, embora só beneficiem os Nossos inimigos.
RGS tem um currículo esplêndido, mas não como Gestor.
Repetir chavões como “quero uma Equipa competitiva a nível europeu, porque, assim, ela será sempre a melhor de Portugal”, ou “penso em ciclos de três anos”, não constitui um programa eleitoral (nem sequer uma alternativa de política desportiva para o futebol sénior), mas RGS ficou obrigado a constituir lista e a candidatar-se … daqui a 3 anos.

Viva o Benfica (PORRA)!

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Mas que puta de bacanal é este?

A fasquia é abaixo de cão e a bitola é quanto mais rasca melhor. Assim anda a comunicação social em Portugal. Quem imaginou que descer abaixo do nível execrável do pasquim da manhã seria impossível - percebe que o onojo, o rascord. o expresso e a tbi, já dão lições de jabardice a um qualquer otavio lopes. A badalhoquice mediática não tem espartilhos.

No frutacanal lê-se correspondência privada (truncada ou não) como se os próprios estivessem a chafurdar nas suas vidas privadas, num bacanal de podridão, prontamente divulgada e reproduzida no esgoto da imprensa de merda que temos.


O video do brunalgas a anunciar à carneirada o pai da criança nos ecrãs do alvalixo, diz tudo do quão parecidos são e da falência cognitiva de toda essa gentalha. 8 ou 9 cretinos vão fazer barulho para o estádio da Luz e as televisões e os jornais estão lá todos de plantão para abrir telejornais e fazer primeiras paginas com a crise do Benfica? O Tetracampeão Nacional que nos últimos dois meses, alem do campeonato, conquistou a Taça de Portugal e a Taça da Liga? O Tetracampeão que nos últimos 4 anos ganhou 12 dos 16 títulos em disputa? O Tetracampeão acaba de anunciar os melhores resultados financeiros da sua história e as notícias são o badalhoco insolvente do frutacanal e a meia dúzia de petardeiros comprados a tentar entrar na garagem do estádio da Luz?

O advogado de pinto da costa, Miguel Moreira dos Santos, foi detido pela PJ do Porto por 'lavagem' de dinheiro e a merda do expresso vai entrevistar o suinácio para saber que o grunho além de pirata prefere ver filmes de crianças porque o ódio ao Benfica o impede de ver a BTV num local publico? 

A merda da TBI põe a debater os perigos do futebol português dois cadastrados como, o incendiário paulo cristovão e o macaco madureira, sem os questionar, a um, sobre o bater em mulheres para lhe arrancar confissões, a lista dos endereços dos árbitros e o dinheiro depositado na conta do árbitro assistente, e ao outro, sobre os ataques ao centro de estágio da Maia, às moradias dos árbitros, aos familiares directos e às suas casas de comercio? Sem questionar o grunho sobre a violência nas auto-estradas e nas áreas de serviço, nos comboios e nos aviões? Mas que puta de bacanal de indigentes morais é este, que ninguém parece ter tomates de lhe pôr fim?

PS; a cegonha (LJ) do brunalgas esteve de visita ao alvalixo em Agosto, certo? Imbestigue-se.

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Benfica SAD - Relatório e contas

Melhor exercício e maior lucro de sempre, redução do passivo, recuperação dos capitais próprios e volume de negócios na casa dos 300 milhões de euros. Resultados onde não constam as vendas de Nelson Semedo e Mitroglou e sem antecipação de receitas dos direitos televisivos. Quatro anos sem empréstimos bancários, 44,5M€ de lucro. Quatro anos - 11 títulos conquistados em 16, com os rivais a triplicarem custos, calotes e incumprimentos financeiros. Aí está a síntese das contas, habitualmente publicada em Setembro. 
Fica a promessa do 'enormérrimo' José Albuquerque de em breve nos brindar com sua analise pormenorizada...




Arrasador com arrasador se paga...

Esta faz-me lembrar a estória do burro a correr atrás da cenoura. A minha duvida é que ainda não consegui perceber quem quer ser cenoura ou quem é que se presta a ser burro...

Ao ser enxotado pelo pasquim do serpa, onde durante vários anos se serviu do Benfica para se auto-promover, Rui Gomes da Silva demorou pouco tempo a escolher um lugar onde eternizar a sua vaidade. Podia continuar a fazê-lo na sua pagina pessoal, onde teria a mesma atenção dos media, contudo, preferiu ocupar um lugar num blog que vive da polémica e onde a esmagadora maioria dos escribas passa os dias a pôr em causa e a menosprezar todos os actos de gestão corrente do Benfica. Todos. Está no seu pleno direito e assim é que está bem. Não enganou ninguém. 

Depois, só teve de esperar pelos primeiros maus resultados do Benfica para dar asas à sua tremenda vaidade, cavalgando a comprovada ânsia de protagonismo mediático. À custa dos desaires do Benfica, ele aí está, de novo nas primeiras paginas dos jornais. Rui Gomes da Silva conseguiu o pleno. É a estrela maior de um grupo de conhecidos petardeiros, tornou-se vedeta e voz do rascord, onde, assim, nunca lhe faltará apoio - e da próxima vez que for ao Porto pode fazê-lo sem qualquer ponta de receio. Em vez de pedras terá à sua espera o macaco madureira com um convite nas patas para o eleger presidente do Canelas. Parabéns.

Bem pode Rui Gomes da Silva inchar de soberba e vaidade. Com um "simples" post conseguiu o que nem os conselhos de disciplina e de justiça, da federação e da liga, algum dia foram capazes de fazer. Conseguiu fechar a matraca aos directores de comunicação da santa aliança. Quem é que precisa da guerrilha do nuno só-raiva e do francisco traques tendo um Rui Gomes da Silva, ali, mesmo à mão? Outra vez parabéns. Rui Gomes da Silva é agora quase tão mediático como os maiores rafeiros agarrados às canelas do Benfica. Ainda acabam os três, no motel da periferia, a deferir estratégias...

Mats Magnusson, publicou recentemente a sua biografia onde conta toda a sua vida. Os jornais desportivos leram apenas o capitulo onde o antigo avançado do Benfica revela os seus problemas com o álcool, a enorme luta contra a dependência, e, um episódio triste no estádio da Luz, ocorrido no jogo entre os amigos de Zidane e antigas glórias do Benfica, de carácter solidário, em 2010.

Agora, só lhes falta dar eco a esta entrevista de Gasagrande a Jô Soares. 

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

O apressado come cru.

Voltou a acalmia ao futebol português. Foram meses de chavascal diário desde que terminaram os festejos do Tetra. Bruxos, padres, primeiros ministros, e-mails, árbitros, ex-árbitros, dirigentes e ex-dirigentes, vai haver sangue, houve sangue, insultos, insinuações, acusações, entrevistas, twiter, facebook, encontros secretos em motéis, saraivadas, traques, ataques e contra-ataques. Hoje, olha-se para as capas dos jornais e não se vê uma única polémica, uma única acusação ao Benfica. Não há uma puta de uma critica aos árbitros e os video-árbitros voltaram a ser o garante da verdade desportiva. Finalmente, a paz no futebol. O foculporto chegou-se à sua puta, na frente, e o pasquim do serpa já deu o mote para o que aí vem nos próximos dias. O apocalipse chegou finalmente ao Benfica. Demorou 4 anos a sair da toca mas promete não deixar pedra sobre pedra. Depois da derrota no Bessa só falta perceber o dia e a hora em que o Benfica irá acabar...

A bolha demonstra hoje claramente aquilo que eu desde sempre defendo. O Benfica, ao contrario do que é vendido pelos nossos inimigos, vende incomparavelmente mais quando perde. Não é por acaso que essa pressão miserável sobre tudo o que mexe no Benfica se faz sentir todos os dias em toda a comunicação social. Uma derrota do Benfica faz crescer exponencialmente as vendas e o numero de cliques. Se lhe juntarmos o pleno de vitórias dos compadres da fruta e do cuspe, mais do que triplicam os ganhos.  

A minha caixa de comentários disparou (dispara sempre que o Benfica não ganha) com gentalha à espera de uma oportunidade de descarregar frustrações, insultando-me a mim, ao treinador, aos jogadores e ao presidente...nada lhes escapa. E o mais engraçado é perceber que são muitos mais os ressabiados que se dizem do Benfica do que os adeptos da fruta e do cuspe. É uma escumalha que só se sente realizada quando as suas previsões catastróficas parecem bater certo. Como sempre tem acontecido, falharão redondamente.

O apressado come cru. Há muita gente a falar do que não sabe e há muita gente a falar do que não vê ou que não consegue ver. 
O futebol, como a vida, é feito de ciclos. E muito embora eu esteja plenamente convencido que o ciclo vitorioso do Benfica ainda nem chegou a meio, também não tenho grandes duvidas que ele um dia acabará. O segredo está em saber aceitá-lo como uma inevitabilidade e seguir em frente, acreditando no planeamento e no trabalho feito para regressar de imediato às vitórias. Mesmo se o Benfica não ganhar este campeonato o ciclo vitorioso estará longe de ter terminado...

O Tetracampeonato do Benfica obrigou os adversários, em desespero, a hipotecar o futuro. O foculporto só não se enterrou ainda mais porque a UEFA não o permitiu e os lagartos mais do que triplicaram custos, em contratações e salários. Ambos já estão no fio da navalha a viver dos milhões adiantados dos contratos televisivos e não será um campeonato ganho que os fará sair deste ciclo pernicioso. Antes pelo contrário. Eu aguardo serenamente pelos primeiros pontos perdidos e por tudo o mais que daí advém. Um conhecido insolvente costuma dizer que o melhor está para vir. E também já disse que vai haver sangue. É tão certo que o Benfica voltará às vitórias como as derrotas que em breve chegarão ao alvalixo e a Contumil. 

E eu não acho nada que o Benfica tenha pior plantel que os compadres da fruta e do cuspe. Tenho, até, plena convicção que o plantel do Tetracampeão Nacional é bem melhor, em quantidade e qualidade. Não será a primeira vez que a maioria dos especialistas se enganará. Não será a primeira vez que ao foguetório e aos festejos de Agosto e Setembro se seguem as exéquias em Janeiro, quando algumas das contratações de 9 e 10 milhões de euros serão postas a andar por incompetência e falta de rendimento. Voltaremos ao assunto em Janeiro para falarmos de Filipe Augusto, dos reforços que o Benfica "não" comprou e dos maravilhos planteis dos compadres da fruta e do cuspe.

domingo, 17 de setembro de 2017

A caminho do tenta?

Eles aí estão, os 5/6 pontos perdidos no arranque da liga e a campanha contra o Penta a resultar em pleno. Desta vez e muito ao contrario do antigamente, somente por culpa própria. Dentro do campo, onde as coisas realmente se decidem, a culpa e aqui sim; a culpa é do Benfica. Não adianta esconder a cabeça na areia e há que deixar a luta das parangonas para os adeptos nas redes sociais e os ataques criminosos dos inimigos do Tetracampeão Nacional para os advogados e os tribunais. Acorda Benfica. Este - decididamente - não em sido o caminho do Penta. 

Que diabo se terá passado na paragem do campeonato que justifique esta queda abrupta de rendimento? A equipa, então tão solta de movimentos, aparece agora amarrada e com os jogadores a desconfiar de si próprios. Corre-se muito mas mal, em esforço. Falta velocidade. A equipa não se mostra leve, alegre, capaz de chegar à área do adversário, rápida e letal. Eu já não me lembro de ver o Benfica como na segunda parte, no Bessa, com a convicção que não vamos marcar. Há lances que espelham perfeitamente a exibição, não só neste como nos dois jogos anteriores, com o Portimonense e CSKA:

Estratégia; na ultima jogada da primeira parte, o Benfica, com um livre a favor, preferiu o passe para trás e a contenção à espera do intervalo que chegou a seguir. Eu sei que estávamos a ganhar mas também sei que as únicas vezes que o Boavista tinha chegado à baliza de Varela tinha sido nos (muitos) livres marcados por Soares Dias em bolas despejadas para a área. Há que pelo menos tentar.

Descontrole emocional/desconcentração/harakiri; os lances caricatos dos golos sofridos. Ridículos numa equipa de alto rendimento.
Eficácia e/ou a falta dela; o lance de golo iminente desperdiçado atabalhoadamente por Rafa e Gabriel Barbosa.
Descrença; o canto marcado por Grimaldo no ultimo lance do jogo, sem força, sem convicção, sem colocação...sem nada. 

Jogo mal preparado? Quem conhece as manhas do campeonato sabe que o estádio do Bessa é daqueles que, com um árbitro à maneira, as faltas do meio campo para a frente e as bolas atiradas para a área são praticamente a única arma da equipa da casa. Fez-me uma enorme confusão a leviandade com que os jogadores do Benfica se deixaram enredar em laces passiveis de falta, que o Soares Dias aproveitou até ao tutano. Eu não passo de um leigo especialista de sofá (neste caso) mas antes do jogo eu já sabia que ia ser assim...

As não contratações para substituir os titulares que saíram. Não alinho no alarmismo e na gritaria geral. Jogadores transferidos para reforçar alguns dos principais candidatos ao titulo de Espanha e Inglaterra não se substituem comprando-se no supermercado. Fazem-se em casa e com tempo. Não há forma de segurar jogadores com essas propostas e não há jogadores no mercado disponíveis à bolsa do Benfica com nível sequer aproximado. Comprar por comprar é só para enterrar. É uma estratégia há muito assumida pelo Benfica que engloba riscos e algumas dores de crescimento. Há que consolidar., sem medos nem retrocessos. É o futuro.

Os quatro jogadores que saíram, saíram. Não perderei um minuto da minha vida a lamentar a sua ausência e tenho sérias duvidas de que, com eles, as coisas fossem globalmente diferentes. A mim o que me preocupa são as lesões prolongadas de Jardel e Fejsa, essenciais ao equilíbrio tácito e emocional do Benfica. Ontem foi Salvio, outro que empurra a equipa para a frente, a sair, de novo com problemas físicos. Luisão não chega para tudo e Júlio César no banco não acrescenta estabilidade lá dentro. E lançar vários avançados no jogo, já em desespero de causa, também não ajuda lá muito.

É verdade que o Benfica não tem tido sorte em nenhum dos jogos que perdeu pontos - tem sido cada tiro cada melro - mas existe uma inacreditável incapacidade para segurar resultados favoráveis contra equipas (Portimonense, CSKA, Boavista) que nos são claramente inferiores! E como não acredito que foi a sorte que nos trouxe as ultimas conquistas também não aceito que a falta dela sirva para justificar tantos erros cometidos. Neste inicio de temporada já oferecemos mais golos aos adversários do que o foculporto ofertou putas aos árbitros. Este é o caminho caminho do tenta. Não é o do Penta.