quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Mas caputa de cambada!

Há anos que eu digo, redigo e volto a dizer; o Benfica faz vender infinitamente mais quando não ganha! E se perder, é um ver se te avias "distribuindo" a trampa que (quase) todos parecem carecer de comprar. As TV's entram em colapso colectivo, com os especialistas atropelando-se entre si, cada um querendo decretar a crise de maiores proporções. Um empate é cantado como uma terrível desgraça, a derrota é vitoriada como o esperado - e desejado - apocalipse e, um a seguir ao outro resultam numa histeria colectiva que só tem paralelo com uma qualquer derrota gloriosa dos lagartos no Santiago Berbabéu. Imaginem que o Gelson Martins marcava, na Champions, um golo igual ao que marcou ontem Gonçalo Guedes. Se três ou quatro corridas deram à luz  um «novo Garrincha», fica até fácil imaginar o nascer de um «novo Pelé»...

Foi uma bela noite para os franco-atiradores e para os mastins, de faca na liga. Até o vasco saiu do cu onde foi procurar os pontos perdidos em Vila de Conde para voltar a encher a minha caixa do lixo. Há gentalha assim, que só se realiza com o mal dos outros. Mas nem tudo é mau. Serve na perfeição para separar o trigo do joio.

Diz que é uma espécie de treinador...
Ontem, antes de mandar para canto toda a trampa e a euforia que grasnava nas televisões, ainda fui a tempo de ouvir o comentador rui águas. A palavra que mais utilizou foi o ''descalabro''. O tipo que cagou no Benfica - e na gloriosa história do seu Pai - para assinar pelos corruptos de Contumil, onde aliás foi sempre enxovalhado (pássaros do sul) como merecia, pareceu ter engolido um descalabro. Descalabro para aqui, descalabro para ali, e dali não saía. É preciso lembrar que esta espécie de treinador ainda na época passada dizia, com ar de quem domina o 'metier', que o Jonas não teria lugar no "esquema" do Benfica. É preciso lembrar que esta espécie de treinador só no mercado africano ainda tem quem lhe pegue. Mas se nos lembrarmos que este moço esteve nos 7-1 dos lagartos ao Benfica, talvez se perceba melhor de onde lhe vem a procura intensa e a obsessão de qualifcar um descalabro...

O Barcelona livrou-se à justa de um mau resultado. O Manchester City teve o primeiro (meio desaire) da época e o Bayern foi amassado no Vicente Caldeirão - onde o Benfica passou com distinção na época passada - livrando-se de um castigo maior por força do falhanço de Griezmann, na execução de uma grande penalidade. Acaso Ancelotti e Guardiola passaram a ser maus treinadores ou o Bayern e o City se transformaram no saco de pancada da imprensa inglesa e alemã?

As parangonas de hoje são um verdadeiro nojo! "CHOQUE" - "OITCHO MINUTOS DE TERROR" - "À BEIRA DO ABISMO"...
Guarda-las-ei para memória futura, até porque me parece que brevemente vamos poder compará-las com outros resultados semelhantes...Mas caputa de cambada!

E por falar em cambada...
A convocatória do seleccionador, sem nenhum futebolista do Benfica, quando nunca como agora - desde há largos anos - o Tricampeão Nacional tem tantos jogadores portugueses no 11 inicial e no plantel, só me dá mais força para, primeiro continuar a defender o Benfica até me doerem as falangetas, e depois, desprezar cada vez mais essa cambada de vendidos.

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Serenidade e confiança no futuro.

Não foi uma noite boa. Os erros pagam-se caro e o Nápoles não foi nada meigo a cobrar. 15 minutos de descalabro e um Júlio César atarantado ditaram uma derrota pesada que não estava nada no programa. Ponto; é preciso jogar muito mal (cometer muitos erros) para sofrer quatro golos de uma equipa italiana. Do resto, e das análises à posterior, o que fica é uma reacção digna que ainda rendeu dois golos e o sentimento de que tudo poderia ser diferente...

Nada está perdido, evidentemente, mas é preciso algo mais, talvez experiência, e, como é óbvio, o regresso dos lesionados. Nem sempre se pode ganhar. É preciso saber perder e encarar as derrotas como as vitórias. Com serenidade e confiança no futuro. O empate entre Besiktas e Kiev favorece as pretensões do Benfica e, como sempre, Viva o Benfica, porra.

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Ladrão alemão no caminho do Tricampeão...

Sempre que ouço falar em roubar lembro-me imediatamente de felix brych, o pulha que roubou ao Benfica mais uma conquista europeia. Nem que eu vivesse cem anos conseguiria esquecer aquele focinho de corno.
O alemão é o ladrão nomeado pela UEFA para o Nápoles-Benfica. Não tinham um FDP mais rasca? Um ladrão do nível de fortunato azevedo, rosa santos, soares dias(pai), martins dos santos, josé silvano, jose guedes, calheiros, veiga trigo, donato ramos, jorge coroado, elmano santos, benquerença, proença, xistra, marco ferreira e os muitos mais que não referencio para não ficar sem espaço para o resto do post...

Arbitrando ao nível que esteve na ultima presença do Benfica numa final europeia, esqueçam lá isso de um bom resultado em Itália. Só com uma exibição do outro Mundo. E também muita atenção ao Feirense, já no campeonato, que tem um treinador que não fica nada atrás da rapaziada acima citada. Vai ser canela até ao pescoço e os desmaios à 'lá matrafona' serão uma constante do jogo. Só falta saber quem vai ser o «felix brych» que o pai do Alex Fontelas porá no caminho do Benfica. Dois partidos para que o Tricampeão se mantenha em alerta máximo - no máximo da concentração.

A epopeia lagarta, em Madrid, já leva duas semanas mas não há carneiro que a consiga esquecer!
Depois do «espaço kelvin» - no museu da fruta - recordando a ultima grande gloria do foculporto, eu aconselho à carneirada a criação de um «espaço novo Garrincha» - no museu das osgas. Mesmo depois do Vilarreal e o Las Palmas empatarem com o Real Madrid, pondo a nu as suas actuais evidentes fragilidades, - os batráquios ainda exultam com a gloriosa derrota no Bernabéu. Façam como o clube da fruta, carago; alarguem o museu e perpetuem essa heróica jornada, carago! Uma ala com menos de oitchenta e oitcho metros quadrados - que imortalize a grande exibição e a gloriosa derrota em Madrid - jamais fará justiça à história dos sapos.

Estive muito atento ao ultimo fim-de-semana desportivo - com um sábado especialmente cheio - repleto de muito e bom futebol, mas de difícil digestão para os inteligentes da bola, já sem espaço para explicarem a titularidade do avô Renato, no Bayern, e do lento e sem qualquer tipo intensidade, André Gomes, no Barcelona. Bastante 'interessante' a performance de um conhecido arruaceiro argelino, o cotovelos Slimani (sulimane em linguagem de sapo) que passou um partido inteiro sem usar os ditos, sequer uma vez. Resultado; foi completamente inofensivo, passando ao lado do jogo É fodido jogar com as regras de todos. Logo mais à noite veremos se o amolecimento de Manchester não foi propositado...

Quem eu gostei de ouvir rosnar foi o treinador do Setúbal, José Couceiro, que desatou aos coices com a arbitragem assim que acabou o jogo de Braga! Quem viu este sapo - na Luz - inchado de soberba e prosápia e o vê agora que as bombocas se diluíram no tempo! Na Luz - empatou com um golo marcado em claro fora-de-jogo mas ninguém ouviu pedir que não prejudicassem o Benfica. Saiu do campo eufórico e a pontos de rebentar de cagança. Incha sapo.

domingo, 25 de setembro de 2016

Preocupante. Muito preocupante!...

Tenho de vos confessar. Estou muito preocupado com o resultado de ontem à tarde. Até me custou a dormir, porra. Eu só fico feliz quando o Benfica abafa os adversários, como o sporting do Lumiar fez ao Real Madrid, deixando a carneirada a babar de prazer, e a cs, mais os especialistas da bola, inchados de satisfação e soberba. Os três pontos que se fod@m que o que interessa é ganhar o troféu do rasteirinho rui santos. 

E nem vos conto a vergonha que eu sinto dos golos de bola parada. Meu Deus! Quando é sabido que essa forma de golear é tão pouco importante no futebol actual, eu fico estarrecido imaginando Rui Vitória a perder o seu precioso tempo ensaiando esses lances sem relevância em vez de treinar os cantos e os livres. É uma vergonha. Não fosse a criatividade e contabilidade dos verdadeiros especialistas, que conseguiram ver três oportunidades de o Chaves fazer três golos na mesma jogada, e a noite ainda me seria mais penosa! Tanto que eu adoro vê-los às voltas com estes fenómenos do entroncamento.

15 vitorias consecutivas fora de casa...
É obra. Rui Vitória - o não treinador - acaba de igualar o recorde com 43 anos que pertencia a Jimmy Hagan: 15 vitórias fora seguidas na Liga! Sem um oito, sem defesas laterais que saibam defender, sem avançados, e, sobretudo, sem fazer as vontades a quem realmente percebe da poda; os cumentadeiros desportivos e os verdadeiros especialistas da internet!

Eu tenho que dar razão aos verdadeiros especialistas. É mesmo preocupante este percurso do Tricampeão. Lesões à parte, que já deviam ter dado lugar a eleições antecipadas e à demissão em bloco de toda a equipa médica, também não se admite que o Benfica não tenha contratado um oito para a posição do Renato. Eu tenho quase a certeza que com um oito a sério o Benfica já ia no primeiro lugar - isolado - com a defesa menos batida e o ataque mais realizador. É um feeling que eu tenho, pronto.

O curandeiro Mitroglou...
Um Nobel da bruxaria para o feiticeiro grego, já. Não há como o grego para curar as maleitas dos adversários do Benfica. Assim que a mete na baliza acabam-se os dói-dóis e as perdas de tempo - num piscar de olhos! E até consegue acalmar o pito ao Freitas Lobo...

Muito envergonhados estarão também os adeptos do Las Palmas e do Villarreal.
Sem espantar o Mundo, nem dar ao Mundo novos Garrinchas, empataram ambos com o campeão da Europa, logo a seguir ao colosso espanhol sair vergado do Bernabéu com a vitória mais humilhante do seu historial, frente ao sporting do Lumiar! Como diria um conhecido sapo cagão - terão conseguido o que mais nenhuma equipa do Mundo alcançou até agora. 

sábado, 24 de setembro de 2016

O Capela expulsou o cagão mas ninguém deu por nada!

À berraria da época passada, quaisquer que fossem as nomeações, ao lagartedo só lhes falta espalhar pétalas aos árbitros escolhidos pelo pai do Alex Fontelas, o novel craque dos batráquios do alvalixo. A concertação é tanta que, da enorme falange de suinácios adestrados espalhados pela cs, nem um se insurgiu contra a nomeação de Capela. Três anos e meio foi o tempo que o João teve de penar - excomungado pelo seu clube de coração - impedido de entrar na capela dos sapos, resultado do veto ilegal decretado pelo Benfica, que, nestas coisas de arbitragem (arbitagem em linguagem de sapo) continua a mandar nesta merda toda, como - mais uma vez - se comprova...

Depois do inchaço de Vila de Conde, jorge lagarto apareceu menos emproado na ultima conferencia de imprensa. Os seus jogadores passaram a ser os melhores do Mundo, quando a seguir à epopeia de Madrid - onde o sporting do Lumiar aplicou ao Real a sua vitória mais humilhante - apenas tinham sido fantásticos porque o mestre os tinha ensinado a andar. A prova são os dois golos que sofreram, nos últimos minutos, desorientados com a sua ausência no banco. 

O que é espantoso é que não houvesse um único pé-de-microfone - de espinha direita - com coragem para perguntar ao artista quem tinha sido o bazófias que permitiu ao Estoril marcar dois golos, um aos oitchenta e cinco minutos e o outro aos noventcha mais triês. O Capela tinha expulsado o cagão mas ninguém dera por nada!

Está de volta o forrobodó...
Quanto ao clube da fruta, e apesar de todas as queixas patéticas para entreter a carneirada, parecem estar de volta os bons e velhos tempos da fruta. Na semana passada foi um penalti que passou em claro a favor do Tondela. Ontem foi mais um, a favor do Boavista, que só o árbitro não viu. Mas o pior foi o campo mais inclinado que a espinha do Fontelas. E também reapareceu o Tonel do costume a sossegar as hostes...

O treinador do Boavista limitou-se a dizer, de forma simples e clara;
«Jogar contra onze é complicado, contra mais é ainda mais difícil. Vamos continuar este nosso trabalho de formiga. Todos são inteligentes para perceber, não é preciso de dizer nomes. A educação que tenho ainda me permite um pouco de paciência para certas coisas mas tudo tem limites»

RUi Vitória - "A nossa janela de transferências é já em Outubro"
Depois desta confissão, que ninguém se admire quando os batráquios puserem o suinácio, e os outros dejectos, a berrar que o tricampeão joga com regras diferentes. 

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

“... Eu olho-os com olhos lassos,

Por José Albuquerque

(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)”

Sobretudo cansaços, Companheiros: estou farto de ler, ver, ouvir e verificar que, por mais sucessos e Vitórias que o Nosso Clube acumule, há, sempre, sempre, alguns de Nós que insistem em agredi-Lo.

Este texto é o reflexo desse cansaço, pelo que se, tu que me lês, és daqueles que afirmam barbaridades como “enquanto tivermos de vender os nossos melhores, o Benfica não sai da cepa torta”, ou “ainda não estamos livres da falência técnica”, ou “o orelhas nunca vai fazer baixar o Passivo”, ou “o Benfica tinha de ter lucro sem contar com as vendas de jogadores”, ou “o sucesso económico destes anos só se deve às receitas extraordinárias”, etc., etc. etc., então eu desafio-te a parar de ler aqui mesmo, a menos que te comprometas a contribuir com os teus argumentos na caixa de comentários e porque este texto não o escrevo para ti (embora escreva a pensar nas merdas que dizes e escreves): este texto é (mais) um desabafo que quero partilhar com os outros Benfiquistas, com aqueles que querem perceber como é que o Nosso Clube pode fazer-se ainda Maior e Melhor, porque, afinal, é assim que entendemos o Nosso Benfiquismo.

Ó Zé, olha lá que, assim, vais encher os sonhos dos arautos do “direito à crítica”!

Direito à crítica?
Como, se a esmagadora maioria deles até começa por confessar-se ignorante em matérias de Gestão, Economia, Finanças e Contabilidade?
Como, se, da restante minoria, ainda há vários que, chegando a propor coisas como que se “amortizem custos financeiros” (Caburros) e dizendo que “por acaso até sei bastante deste assunto”, patenteiam a mais aflitiva ignorância sobre aspectos mais elementares destes tópicos?
E como, se, da última réstia de minoritários, misturados entre os andruptos e osgas que fazem vida da mais ridícula contrainformação anti, já só sobram os invejosos, despeitados e soberbos demagogos Taliban?

Cepa torta?
Isso é para parecer que é uma crítica?
Baixar (imediatamente, de preferência) o Passivo?
Mas fazem alguma ideia de como é que isso se consegue? Se é que deve tomar-se tal coisa como um objectivo da Nossa Gestão?

Para falarmos verdade, neste último “argumento” até o Presidente tem culpas significativas, porque não tinha nada de misturar o seu declarado voluntarismo com este tipo de assuntos mais sérios, a menos que fosse num fora em que o tema pudesse ser discutido em toda a sua profundidade, para ficar a coberto dos vómitos dos Taliban.

Receitas extraordinárias? Acham, mesmo, que é isso que elas são? Depois de tantos anos em que assistem ao seu sustentável e racional aparecimento?
Dizem que o Glorioso deveria ter Custos  suficientemente baixos para não necessitar de vender (sol na eira), mas acham que se deveria ter aumentado os salários ao Lima e ao Nico, para que eles preferissem ficar (chuva no nabal).
Só me dão vontade de perguntar se, ao menos, empréstimos podem ser opção, mas receio bem que me critiquem por causa do merdas do talixo.

Ó Zé, tem paciência que o pecado deles é só o excesso de “exigência”!

Exigência?
Mas, exigência a que título?
Alguma vez fizeram alguma coisa que se visse pelo Nosso Clube?
É que nem por eles próprios, ou não seriam só mais um bando de anónimos a destilar invejas e ódios pessoais.
A exigência tem de começar por nós próprios! Tem de começar por muito estudo, mais trabalho e, de preferência, sem recurso à intolerância (ainda menos ao racismo mais abjeto) e aos alardes de falta de humildade.

Ó Zé, tu não nos digas que vais ligar um “Benficómetro”?

Eu?
Phod@-se!
Nunca, jamais, em tempo algum!
Os benficómetras são uma subespécie dos intolerantes e eu, muito humildemente, confesso-vos que ainda estou a tentar aprender a Ser Benfiquista. Ando nisto há mais de 50 anos, mas prometo não desistir. E é uma promessa fácil de fazer, porque sempre me foi necessária esta Paixão para viver.
Além de que conheço mais que um Águia de Prata (que também sou), até com Título Fundador (que eu não tenho e sem a desculpa de não o poder pagar), que me irritam solenemente pelo mais reles anti-Vieirismo.

Não, Companheiros, façam-me a justiça de nunca ter achado que, lá porque aqui me dão espaço para escrever, tenho algum direito especial de Benfiquismo.
As únicas coisas que me movem são o Clube e os Valores que Ele representa: tentar conhecê-Lo, pensá-Lo e, na humilde medida que conseguir, contribuir para que, TODOS UM, o projetemos sempre Maior e Melhor.
É que tudo assenta no princípio de que o Glorioso não Nos pertence e apenas está nas Nossas mãos como que por empréstimo dos Mais Novos, em cujas mãos temos o dever de O depositar, quando já não conseguirmos melhorá-Lo.

Ó Zé, deixa lá os desabafos e começa a discutir essa possível alternativa ao “modelo” de crescimento que tem sido prosseguido e que conta com vendas anuais de alguns dos Nossos melhores Atletas.   
  
Excelente sugestão, embora vá repetir o que já escrevi muitas vezes (depois não se queixem do tamanho do texto, ahahah).
Vamos a isso!

E, começando pelo princípio, vamos lá “meter o Rossio na rua da Betesga”, ou seja ... tratar de comprimir os Custos da SAD até ao limite do crescimento dos Nossos Proveitos Operacionais.
O melhor resultado dos PO foi este mais recente: 126M€.
Como somos exigentes, consideramos que a Equipa vai continuar a chegar aos “quartos” da Champions, que vamos levar a NOS a pagar 50M€, já neste ano, os Sponsors a aumentarem os pagamentos em 10M€, melhorar as receitas de “Match Day” (sem aumento dos preços de bilhetes e Red Pass, obviamente) ...
Ok, admitamos que conseguimos chegar a 160M€ em PO (miséria pega-se, ahahah) ...

Alguém sugere onde é que poupamos os 30M€ anuais necessários para equilibrar as contas deste próximo exercício?

Mandamos o Novo Banco e o Millennium (Custos Financeiros totais de cerca de 20M€) dar uma volta ao bilhar grande?
Matamos o Taarabt e o Helder?
Substituímos o Maestro e todo o Departamento de Scouting por um dos 3 estarolas (devem aceitar vir só por comissões) e o DSO pelo Benfica Eagle (também não deve ser caro)?
Reduzimos a programação da BTV a um programa “Vamos malhar no Vieira” (produzido pela dupla moléculasontistas e apresentado pelo sombras) e outro “Vamos malhar nos anti da mérdi@” (produzido pelo Guachos e apresentado pelo Antitripa)?
Reduzimos todo o Plantel Profissional (Equipa de Honra + Equipa B) a nunca mais de ... quantos Atletas? 50? 40?
Não se esqueçam é que, a partir desse momento, cada nova pérola do Seixal só pode ter contrato profissional, desde que saia um outro (dos piores, claro) que já o tivesse antes, ok?
Suspendemos todo e qualquer projeto de investimento que não tenha um “pay back” imediato? Desenvolvimento do Seixal incluído?

Bem ... vamos ser sérios e, mesmo sabendo que um tal downsizing demoraria muito tempo e só por milagre não teria consequências negativas ao nível da competitividade das Nossas Equipas (é que se admitirmos piores resultados desportivos, teremos de considerar a imediata quebra dos proveitos), admitamos a hipótese teórica de que será possível conseguir o que ninguém acha possível no mercado nacional: Proveitos Operacionais ligeiramente superiores ao somatório de todos os Custos (amortizações contabilísticas incluídas).

E admitamos também, em hipótese meramente teórica, que já reduzimos o Passivo Financeiro Oneroso até ao limite que os especialistas consideram “óptimo” (convinha era que se pusessem de acordo, porque desde “um ano de facturação”, até “um ano de facturação sem vendas de Atletas”, passando por vários diferentes múltiplos do EBITDA, obviamente sem vendas de Atletas, eu já li de tudo um pouco), já pensaram para que valor terá caído o Nosso Activo, a menos que admitam um crescimento exponencial dos Capitais Próprios (com base em que lucros, pergunto-me)?

É que, convém não esquecer, neste quadro são ínfimas as Operações com Passes de Atletas, o que inviabiliza grande peso das contas quer de Clientes (não há vendas importantes), quer de Fornecedores (não há compras nenhumas).

Tudo isto é absurdo, mesmo num plano meramente teórico!
Mas eu faço-vos a vontade e aceito esse desafio ...
Desde que alguém me explique o que fazemos se alguém bater uma cláusula de rescisão das grandes, de um dos melhores Atletas que tivermos (se conseguirmos ter algum, ahahah)?
Assim ... um de 60M€?
E que tal se aparecer um caso desses por ano?
Não há problema nenhum, dizem (estou farto de ler que uma só venda por ano não seria mau)?

Então pensem lá que isso significaria termos Resultados Líquidos anuais de valor muito próximo do Capital Social!
Ou seja, uma rentabilidade anual muito próxima dos 100%!
E uma alternativa mais que simples: ou investimos esses lucros (cuidado, que não poderiam ser investimentos que implicassem aumento de Custos, nem que fossem simples amortizações contabilísticas, sob pena de estarmos a “viciar” as contas na realização dessas vendas de Atletas), ou ... teríamos de distribuí-los, sob a forma de dividendos!

E o que é que acontece a qualquer Empresa que distribua, por sistema, grandes volumes de dividendos?
Pois claro, leva com uma OPA em cima!

Não tem problema, porque o Clube não vende e mantemos o controle sobre a Nossa SAD!
Ai sim? Estão certos disso? Com decisão em AG ou por referendo?
E o que é que o Clube faz aos dividendos (notem que estamos a falar de uma dezenas de milhão de euro por ano) que vai acumular?
Investe na bolsa? Gasta em obras de responsabilidade social?
É que, não se esqueçam, nem o Clube deveria permitir-se a aumentar os seus Custos, sob pena de ficar “viciado” e passar a depender dessas receitas regulares em dividendos, ou seja ... dependente das vendas de Atletas!

Já sei, responde-me uma viúva do visconde novo: o Clube compra a osgasad!
Não pode ser!
A menos que aceitem o regresso “à necessidade de vender os melhores Atletas”, porque a osgasad, mesmo com todas as benesses, tem garantidos (bem) mais de 30 “biscas” de prejuízos anuais, ainda que venda avioncitos ...

Que tal pararmos com o ridículo destas hipóteses absurdas?

Que tal reconhecermos, todos sem excepção (Presidente incluído) que a questão não é se a SAD necessita, ou não, de vender Atletas para ter contas equilibradas?

A questão não passa por sabermos se queremos, ou não!
Porque, quer querendo, quer não, quer necessitando, quer não, a Nossa SAD vai ser “obrigada” a vender os seus melhores Atletas (os de mais alto valor de mercado), pelo simples e evidente facto de que não conseguimos ser competitivos no que respeita aos salários líquidos que pagamos!  

Será que isto é assim tão difícil de entender?
Será que é tão difícil de entender que, a menos que o Benfica tivesse acesso ao mesmo nível de proveitos dos clubes ingleses (olá Campeonato Europeu de Clubes) e a fiscalidade fosse nivelada na UE, nunca teremos capacidade de pagar salários competitivos para os melhores futebolistas?

A alternativa a vender um RS, para o Bayern e por 60+20M€, é fazer dele uma espécie de Carrillo e, depois vê-lo sair a “custo zero”.
A alternativa a vender um Nico, para o AM e por apenas 25M€, é penalizá-lo por ter, um dia, aceitado vestir o Manto Sagrado.

Vá!
Venham lá com as vossas ofensas e argumentos bacocos.

“... Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós, e vós amais o que é fácil!”

Viva o Benfica!